domingo, 24 de agosto de 2008

Dane-se, eu quero zoar!






Texto e fotos Rafael Martins
Já passamos daquela fase de nos surpreender com mulheres em bandas levantando uma bandeira. Mesmo que todos esses assuntos ideológicos sejam pedantes, elas ainda estão num processo de afirmação e nós (homens) de aceitação e adequação, isso em todos os setores da sociedade.
O Autorock foi um atestado disto, com várias bandas com meninas, e por Deus nenhuma armada com frases feministas prontas. Pelo menos no caso das Lunettes estão mais para: “dane-se, eu quero zoar!”. Elas não parecem ser do tipo que se oferece flores, mas sim uma cerva.
E o show foi justamente isso: farra, bagunça. Walquíria deu gargalhada, dançou com uma menininha que apareceu no palco, cuspiu água no povo, inflou o ego dos punks de plantão lhes oferecendo uma singela canção. Juliana New Wave, agora como tecladista se mostrou em momentos oportunos. Enquanto Giovana dançou de um lado pro outro lentamente quase fora do ritmo da música com um sorrizinho ordinário do tipo: “te peguei!”.
(Desculpem-me Renan e Claudio, mas quando há mulheres no placo fica difícil chamar mais atenção que elas).

Um comentário:

1984 disse...

o melhor show dessa noite, sem dúvida: o lunettes é uma banda de campinas que pode ser posta lado a lado com css ou gossip, tamanha a qualidade (da música e da presença de palco)
maravilha!!!